top of page

Protocolos terapêuticos para tACs (Fisher Wallace)

Atualizado: 8 de dez. de 2022

Entre as 3 modalidades de neuromodulação não-invasiva, a estimulação por corrente alternada é considerada a técnica com menor "potência". O grau de evidência para cada uma pode ser classificado da seguinte maneira:


Estimulação Magnética Trascraniana: Grau A (eficácia definitiva) para depressão e dor por fibromialgia.


tDCs: Grau B (eficácia provável) para depressão sem refratariedade a medicamentos, dor

por fibromialgia e craving.


tACs: Grau C (eficácia possível) para depressão sem refratariedade a medicamentos, insônia ou ansiedade.











Como menciona o guideline terapêutico de Lefaucher, a grande variedade de protocolos possíveis com correntes alternadas é um fator complicador na determinação dos melhores parâmetros de estimulação.


Nos Estados Unidos, o FDA autoriza há décadas a comercialização de dispositivos de eletroterapia que aplicam correntes do tipo tACs para tratamento de insônia e ansiedade. No passado essa terapia era chamada de "Eletrosono", porém a incerteza quanto aos mecanismos de indução do sono, se relacionados de fato às correntes elétricas ou ao relaxamento por elas causado, fez com que os especialistas passassem a adotar o nome de "eletroterapia craniana".


Com o amadurecimento da ciência no campo da Neuromodulação, o interesse por dispositivos de tACs foi renovado, particularmente com formatos de onda como correntes sinusoidas ou RNS (Random Noise Stimulation), disponíveis com versões especiais dos Estimuladores Soterix, e também com formatos proprietários como o do Fisher-Wallace.


O estimulador Fisher Wallace aplica uma combinação de 3 frequências (5 Hz, 500hz, 15.000 Hz) com intensidade de 1 até 4mA. O objetivo da combinação é que as frequências mais altas funcionem como "carregadores" (meios de atravessar a resistência do crânio) e a frequência teta (5Hz) tenha o efeito de potencializar as oscilações cerebrais dessa frequência.


Abaixo segue o protocolo aplicado com o Estimulador Fisher-Wallace em um estudo recente no tratamento da depressão.


Depressão sem refratariedade a medicamentos

Grau de evidência para tACs: C (possivelmente eficaz)


McLure 2015 (USA, NY, Mount Sinai Beth Israel )

Estudo Classe III. N=16 (7 grupo ativo, 9 placebo)

Ânodo e Cátodo em regiões temporais bilateralmente (polaridade indiferente). Eletrodos: esponjas Fisher-Wallace Sessão: Padrão Fisher-Wallace a 2mA por 20 minutos (combinação de 5hz, 500hz e 15.000hz), 20 sessões (segunda a sexta) por 4 semanas, avaliados com 2, 4 e 8 semanas. Critérios de entrada: Depressão moderada (Hamilton > 13 <28) sem refratariedade a medicamentos, sem psicose e sem ideação suicida ativa. Resultados: na segunda semana, a queda média no escore de Beck foi de 13 pontos (versus 3.76 no grupo placebo, p=0.016). A diferença continuou significativa na quarta semana (p=0.002) mas não foi significativa na oitava semana (p=0.09 - nas últimas 4 semanas os pacientes ficaram sem tratamento)


Referências: 1. McClure D, Greenman SC, Koppolu SS, Varvara M, Yaseen ZS, Galynker II. A Pilot Study of Safety and Efficacy of Cranial Electrotherapy Stimulation in Treatment of Bipolar II Depression. J Nerv Ment Dis. 2015 Nov;203(11):827-35. 2. Zaehle T, Rach S, Herrmann CS. Transcranial alternating current stimulation enhances individual alpha activity in human EEG. PLoS One. 2010 Nov 1;5(11):e13766.

3. Guleyupoglu B, Schestatsky P, Edwards D, Fregni F, Bikson M. Classification of methods in transcranial electrical stimulation (tES) and evolving strategy from historical approaches to contemporary innovations. J Neurosci Methods. 2013 Oct 15;219(2):297-311.


226 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page